Website do Dr. Rogério Alvarenga

Conhecendo e controlando

Dr. Rogério M. Alvarenga
Médico - CRM-RJ 23.389

Antes de se falar em Hipotireoidismo é preciso que se conheça a Tireóide, uma glândula localizada na parte anterior do pescoço, bem abaixo do Pomo-de-Adão.

A Tireóide é a glândula responsável pela produção dos hormônios T3 (Triiodotironina) e o T4 (Tiroxina) que afetam a maioria dos órgãos, incluindo coração, cérebro, fígado, rins e pele.

Na figura ao lado pode-se visualizar a Tireóide que é formada por um Lobo Direito, um Lobo Esquerdo e uma zona central chamada de Istmo.

     Existem inúmeras doenças que podem acometer a Tireóide, e aproximadamente 5 % da população apresentam algum tipo de sintoma. É interessante observar que as moléstias da Tireóide são muito mais freqüentes em mulheres do que em homens.

 

O que é o Hipotireoidismo

Quando um Médico dá um diagnóstico de Hipotireoidismo, significa que a pessoa apresenta sintomas comuns, compatíveis com baixa função da glândula Tireóide, ou seja, a Tireóide está produzindo pouco hormônio. Acredita-se que 5% da população americana tem hipotireoidismo, sendo que 360.000 casos novos de doenças da Tireóide são diagnosticados todos os anos nos Estados Unidos, onde 1,8% da população tem que fazer reposição do hormônio tireoidiano. O American College of Physicians recomenda um "screening" de todas as mulheres após os 40 anos, devido elas apresentarem 4 vezes mais chances de terem Hipotireoidismo.

O Hipotireoidismo é muito comum, sendo difícil estimar o número de pacientes com a doença, pois muitas pessoas têm o Hipotireoidismo e não sabem. Pesquisas revelam que cerca de 5 milhões de brasileiros têm Hipotireoidismo, a grande maioria ainda não diagnosticada. Um grande número de pessoas apresenta sintomas vagos de cansaço e desânimo, atribuindo-os, de forma errônea, como sendo próprios da idade. O Hipotireoidismo pode ser encontrado em homens e mulheres e sua incidência aumenta com a idade.

Tipos de  Hipotireoidismo

Hipotireoidismo congênito

O bebê ao nascer pode ter uma falta absoluta e congênita da glândula tireóide ou pode ter ocorrido um erro no desenvolvimento embrionário da glândula em que as células tireóides não tenham migrado por completo e se tenham estabelecido na base de língua ou em qualquer outra zona do trajeto normal e aí se tenham desenvolvido.

Na ausência total da glândula o problema é grave e tem que ser resolvido nos primeiros dias depois do nascimento pois até então recebia as hormônios da mãe.

Quando há um problema na migração a quantidade de parênquima que se desenvolveu mesmo que fora do seu local habitual é suficiente para que a criança se desenvolva naturalmente

Hipotireoidismo induzido por causas externas

Por extirpação cirúrgica parcial da glândula tiróide por qualquer motivo é evidente que se assiste a uma quebra na produção hormonal. Ainda que a glândula possua uma certa capacidade de compensação aumentando o tamanho pode produzir-se uma situação de hipotireoidismo.

Por tratamento prévio com Iodo Radioativo (I-131). Esta substância é utilizada em casos de hipertireoidismo. Como a glândula tireóide é o único órgão a captar o iodo, ingerindo uma quantidade certa de iodo radiativo, este provoca a morte de parênquima tireóideo provocando de imediato uma situação de hipotireoidismo. Esta dose tenta ser o mais acertada possível por parte dos Médicos Especialistas em Medicina Nuclear. Contudo a ruptura de folículos que o tratamento ocasiona põe em marcha uma reação auto-imunitária que leva à progressiva destruição das células da glândula.
 

Hipotireoidismo induzido por medicamento

A medicação anti-tireoidiana desnecessária, isto é, tomada para combater uma situação de hipertireoidismo e que é tomada para além do tempo necessário leva a um bloqueio na assimilação do iodo pela tireóide, baixando os hormônios tireoidianos no sangue e elevando a TSH o que provocaria um aumento desmedido do tamanho da glândula (Bócio ou Hiperplasia Difusa ) e finalmente a uma situação hipofuncional severa. Outros medicamentos, como a Amiodarona ou o Lítio ocasionam o bloqueio na absorção do iodo induzindo situações de Hipotireoidismo, que obriga a um tratamento com L-Tiroxina se não se consegue suprimir o medicamente que está a causar essa modificação
 

Hipotireoidismo por alimentação pobre em iodo

Existem zonas do mundo em que a concentração de iodo na água e nos terrenos agrícolas é muito reduzida levando a situações de Bócio Endêmico por carência generalizada desse elemento.
 

Hipotireoidismo de causa Imunitária

(Tireoidite Auto-Imune)

Também chamada de Tireoidite de Hashimoto, é a causa mais freqüente de hipotireoidismo. O organismo está preparado para reagir a agressões exteriores mediante um sistema imunitário em que participam de forma fundamental os linfócitos. Quando um corpo estranho invade a célula produz-se primeiro uma fase de reconhecimento e um vez verificado que se trata de um elemento estranho, o organismo, através de um processo bastante complexo mas bem conhecido elabora substâncias defensivas (anticorpos) que atacam o elemento transgressor.

Na glândula os hormônios estão armazenadas em folículo tireóideos. A Tireoglobulina, que é a grande molécula da qual se fazem os hormônios ativos T3 e T4 nunca passa para o sangue. Se por qualquer motivo (por ex: devido ao I-131) esta Tireoglobulina e outras substâncias iodadas aparecem no sangue devido à ruptura de um deste folículos vão induzir uma resposta imunitária do organismo na qualidade de substância orgânica estranha. Deste modo o organismo vai produzir anti-corpos que uma vez chegado à tiróide eliminam as substâncias iodadas rompendo no processo células tireóideas, alterando folículos e finalmente libertando mais Tireoglobulina que vai agravar ainda mais a lesão. É um ciclo lento e vicioso que só para na destruição total da glândula

A tireoidite crônica auto-imune é como o nome indica uma forma crônica de tireoidite que do ponto de vista clínico pode ter pouca sintomatologia e passar mesmo despercebida. A sua origem é imunológica e está relacionada com fenômenos de auto-imunidade, com auto-agressão da tiróide pelo sistema imunitário do próprio indivíduo. Esta doença é muito comum, 4 vezes mais freqüente na mulher e cuja freqüência aumenta com a idade. Existem muitas vezes familiares com bócio, alterações do funcionamento da tiróide e/ou diagnóstico de tireoidite crônica auto-imune.

Existem dois tipos de anticorpos que atacam a glândula tiróide. Os Anticorpos Anti-Tireoglobulinas e os Anti-Peroxidase (Anti-TPO). Desconhece-se o modo de atuar dos primeiros embora se conheça o seu resultado prático. Dos segundo o processo encontra-se substancialmente conhecido. Logo após da ingestão do Iodo molecular (I2),  este tem de ser oxidado a iodo atômico ou iônico na presença de uma peroxidase para que se possa associar à tirosina. Sem esta enzima, atacada pelos anticorpos, o organismo fica inundado de iodo molecular sem que deste se retire qualquer proveito

A tireoidite crônica auto-imune pode estar associada a mau funcionamento da tireóide. Pode evoluir com alguma freqüência com hipotireoidismo e mais raramente com uma Tireotoxicose transitória (tireoidite silenciosa).

A Tireotoxicose pode surgir num doente com tireoidite crônica auto-imune, em relação com uma situação denominada Tireoidite Silenciosa. Nos doentes com tireoidite auto-imune pode ainda haver ocasionalmente um aumento dos hormônios tireoidianos em circulação, por hipertireoidismo. Uma variante da tireoidite silenciosa é a denominada Tireoidite Pós-Parto.

Nas tireoidites Silenciosa e Pós-Parto pode haver uma fase de Hipotireoidismo transitório após o episódio inicial de tireotoxicose. Em geral estas tireoidites, pela natureza passageira da disfunção tireoidiana que lhes está associada, poderão não necessitar de qualquer tratamento específico.

Os indivíduos com o diagnóstico de Tireoidite de Hashimoto, deverão ser avaliados regularmente do ponto de vista funcional através de exames laboratoriais, para detectar e tratar precocemente um hipotireoidismo nos casos sem disfunção tireoidiana conhecida e para monitorizar e ajustar o tratamento com o hormônio tireoidiano nos casos com hipotireoidismo.

A Tireoidite de Hashimoto é a causa mais comum de Hipotireoidismo.

Quando o Médico solicita um estudo analítico para avaliar a função tireoidiana (T3, T4, TSH), muitas vezes encontra valores normais e a pessoa pode estar a funcionar com o seu metabolismo no nível inferior, mais perto do hipotireoidismo .

Os hormônios tireoidianos aumentam a transcrição de um grande número de genes e portanto a atividade metabólica de todo o organismo — o metabolismo basal pode aumentar 60 a 100%!

A utilização dos alimentos para energia é muito aumentada, assim como a atividade das glândulas endócrinas e os processos mentais. Estimulam quase todos os aspectos do metabolismo dos hidratos de carbono, inclusive a rápida captação da glicose pelas células, glicólise acentuada e neoglicogênese aumentada. Diminuem a quantidade de colesterol e triglicérides no sangue e aumentam a secreção dos sucos digestivos e a motilidade gastrintestinal.
 
 

Quem tem mais chance de apresentar Hipotireoidismo 

Mulheres, especialmente acima dos 40 anos
 

Homens acima dos 65 anos
 

Mulheres no período pós-parto (6 meses após o parto)
 

Pessoas com colesterol alto
 

Pessoas que já tiveram doenças da tireóide anteriormente
 

Pessoas com história de doenças auto-imunes (Tireoidite de Hashimoto)
 

Pessoas que apresentem outras doenças auto-imunes (Diabetes Tipo 1, Lupus, Atrite Reumatóide, etc)
 

Pessoas tratadas anteriormente de Hipertireoidismo
 

Pessoas que estiveram em tratamento de Radioterapia de cabeça e pescoço
 

Pessoas em uso de Amiodarona ou Lítio
 

Pessoas com Depressão ou Síndrome do Pânico

 

Sinais e sintomas do Hipotireoidismo

Como o Hormônio da Tireóide afeta praticamente todas as células do corpo, pode-se apresentar uma grande variedade de queixas se estiver com hipotireoidismo:

 

  • Cansaço

  • Depressão

  • Pele ressecada

  • Cabelos ásperos

  • Unhas quebradiças

  • Prisão de ventre

  • Anemia

  • Fadiga

  • Períodos de menstruação irregular ou ausente

  • Aumento de peso

  • Tornozelos e rosto inchados

  • Colesterol elevado

  • Pressão baixa (ás vezes)

 

Efeitos do Hipotireoidismo

A carência dos hormônios da Tireóide afeta as pessoas de diferentes maneiras. Pode causar diversos problemas, sendo a pele um ótimo ponto de observação, principalmente para as mulheres, sendo que uma das doenças mais precoces que causam alterações na pele é o hipotireoidismo.
A pele de quem tem hipotireoidismo é opaca, sem vida, mais seca, descama com maior facilidade, fica mais grossa, como se estivesse inchada e por mais hidratante que a pessoa passe, a pele nunca fica 100% boa se não for feito o tratamento adequado.
 

Hipo1.gif (4553 bytes)Hipo2.jpg (16586 bytes)Hipo3.gif (5300 bytes)
 

Ações nos diversos órgãos do corpo
    Cérebro: Dificuldade de concentração, Depressão

    Coração: Diminuição do ritmo cardíaco, Insuficiência cardíaca

    Pele e cabelo: Queda de cabelos, Ressecamento da pele

    Músculos: Fraqueza, Dor, Fadiga

    Aparelho Digestivo: Prisão de ventre

    Fígado: Colesterol alto

    Rins: Retenção de líquidos, Rosto e Tornozelos inchados

    Órgãos Reprodutivos: Alterações menstruais, Infertilidade (mulheres e homens)

    Outros Sintomas: Apatia (desânimo), Ganho de Peso, Anemia, Dores Articulares

 

Diagnóstico do Hipotireoidismo

No passado, o Hipotireoidismo era, em geral, diagnosticado quando já estava em estágio avançado. Hoje, a sensibilidade dos novos teste laboratoriais possibilitam o diagnóstico em fase muito precoce. Um destes exames, o TSH (Hormônio Estimulador da Tireóide), mede a quantidade deste hormônio que está circulando no sangue e informa como está funcionando a Tireóide.

 

Tratamento do Hipotireoidismo

O tratamento correto garante boa saúde

É indispensável tratar o Hipotireoidismo, pois a falta de tratamento pode ocasionar sérios danos para a saúde. Os riscos da falta de tratamento do Hipotireoidismo diferem de pessoa para pessoa. Nos recém-nascidos (Hipotireoidismo Congênito), o tratamento é crucial para prevenir o retardo mental, atraso no crescimento, deformações físicas e outras anormalidades importantes. Esta é a razão pela qual todos os recém-nascidos devem ser submetidos ao "Teste do Pezinho".

Crianças e adolescentes com Hipotireoidismo podem ter seu desenvolvimento mental e físico seriamente comprometidos, se não forem prontamente tratados.

Nos adultos, as conseqüências do não tratamento do Hipotireoidismo podem provocar considerável desconforto ou incapacidade. Se o Hipotireoidismo for acentuado, o não tratamento pode resultar em doença mental e cardíaca ou, se for de maior gravidade, levar danos ainda mais sérios.

Como a maioria dos casos de Hipotireoidismo resulta de danos irreversíveis da glândula Tireóide, não existe tratamento que proporcione a cura definitiva.

A Reposição Hormonal é o tratamento de escolha do Hipotireoidismo e visa repor o hormônio que a Tireóide doente não consegue produzir. O hormônio sintético da Tireóide usado no tratamento é chamado de Levotiroxina Sódica.

 

Duração do Tratamento

A Levotiroxina Sódica funciona no organismo exatamente como o hormônio natural da Tireóide. É indispensável tomar os comprimidos de Levotiroxina diariamente, para que o objetivo seja alcançado. Como para a maioria dos pacientes, o Hipotireoidismo é crônico, portanto o tratamento deverá ser instituído por toda a vida.

A quantidade necessária de Levotiroxina varia de pessoa para pessoa. É importante seguir as instruções do Médico, tomando a dose recomendada de Levotiroxina, diariamente, pois ele solicita exames laboratoriais muito sensíveis para determinar a sua melhor dosagem.

Os sintomas do Hipotireoidismo não desaparecem imediatamente após começar o tratamento com a Levotiroxina. Mantendo-se o tratamento, tomando os comprimidos de Levotiroxina diariamente, notará uma lenta e progressiva melhora na aparência e bem-estar. Mesmo que se tenha um Hipotireoidismo acentuado, alguns meses após o tratamento passará sentir alívio de todos os sintomas, lembrando que essa melhora não significa que se pode parar de tomar a Levotiroxina, pois ainda que os sintomas tenham diminuído, é importante continuar o tratamento, pois a Levotiroxina estará substituído o hormônio que a sua Tireóide não fabrica mais em quantidades suficiente. Se pára de tomar a Levotiroxina, o organismo terá  a função do hormônio sintético diminuída nos períodos subseqüentes e com isso, nas semanas seguintes, os velhos sintomas voltarão gradualmente.

Se você apresenta algum desses sintomas,
procure ajuda médica especializada urgente.

Este artigo não pretende a prescrição ou indicação de medicamentos. Se você apresenta algum dos sintomas citados procure um Médico pois nada substitui uma consulta com um Médico especializado, pois tanto para a mulher como para o homem, a avaliação Médica e especialmente a Terapia Ortomolecular tem que ser individualizada e só deve ser prescrita por Médico Especialista, e que para se ter uma base do que se vai indicar para um paciente é necessário fazer uma minuciosa anamnese clínica, avaliar o estado psico-emocional do paciente e  fazer um estudo pormenorizado com exames laboratoriais, inclusive Ortomoleculares como o Teste do Cabelo (Mineralograma)e outros através de sangue, urina e fezes.

Dr. Rogério Alvarenga é Médico (CRM-RJ 23.389-0), Especialista em Medicina Ortomolecular. É também Endocrinologista e tem Título de Especialista em Nutrologia Médica pela AMB. É membro da Academia de Ciências de NovaYork ("The New Academy of Sciences" - USA) entre outras no exterior. Membro da ABESO(Associação Brasileira para Estudos da Obesidade) e  outras. Membro-Fundador da SOMORJ-Sociedade de Medicina Ortomolecular do Estado do Rio de Janeiro.

 

 

Medicina Ortomolecular, Teste do Cabelo, Intoxicação por Metais Pesados, Prevenção do Envelhecimento, Tratamento para Crescimento em Crianças e Adolescentes, Aumento de Massa Muscular em Atletas, Tratamento do Stress, Depressão, Irritabilidade, Agressividade, Andropausa, Menopausa, Reposição Hormonal Feminina e Masculina ,Doenças da Tireóide, Medicina Preventiva, Desinteresse Sexual Masculino e Feminino, Artrite, Artrose, Osteoporose, Fibromialgia, Queda de Cabelos, OBESIDADE, Magreza, Distúrbios do Colesterol e Triglicérides, Nutrologia Médica e Endocrinologia em Geral. Para informações e marcação de consulta ligue para (21) 2611-2244 e mesmo que caia em uma gravação, deixe seu nome, número de telefone e sua mensagem. As consultas somente são feitas com hora previamente marcada. Terapia Ortomolecular, Teste do Cabelo, Intoxicação por Metais Pesados, Prevenção do Envelhecimento, Tratamento para Crescimento em Crianças e Adolescentes, Aumento de Massa Muscular em Atletas, Tratamento do Stress, Depressão, Irritabilidade, Agressividade, Andropausa, Menopausa, Reposição Hormonal Feminina e Masculina ,Doenças da Tireóide, Medicina Preventiva, Desinteresse Sexual Masculino e Feminino, Artrite, Artrose, Osteoporose, Fibromialgia, Queda de Cabelos, OBESIDADE, Magreza, Distúrbios do Colesterol e Triglicérides, Nutrologia Médica e Endocrinologia em GeralPara informações e marcação de consulta ligue para (21) 2611-2244 e mesmo que caia em uma gravação, deixe seu nome, número de telefone e sua mensagem. As consultas somente são feitas com hora previamente marcada.  Para marcação de consultas utilize-se também do Fax (21) 2611-7520; entretanto, Sugestões, Perguntas e Dúvidas somente serão respondidas pela internet.

Para informações e marcação de consulta ligue tambem para o Celular (21) 9111-6055, de 2ª a 6ª-feira fe 9:00 às 18:00 hs. As consultas somente são feitas com hora previamente marcada.

Clique aqui para fazer sua pergunta, dúvida ou sugestão ao Dr. Rogério Alvarenga.

Se você gostou deste Website volte mais vezes. Mas, se você realmente gostou de uma das páginas ou deste WebSite, indique nosso endereço  a um(a) amigo(a). Basta clicar aqui!

Se você realmente gostou desta página ou
deste WebSite, indique-o clicando no ícone.
Obrigado !

Se você não entrou pela página principal, clique aqui para visitar a página principal e as demais do site.

Copyright © Dr. Rogério M. Alvarenga